Orange is the New Black, essa grande série da Netflix, criada por Jenji Kohan (que também criou Weeds) chega ao seu 4º ano com duas certezas: há tempos deixou de ser uma série cômica, tanto que na primeira temporada ela foi indicada às premiações como série de comédia e nas temporadas seguintes, como série dramática.
Outra mudança foi que o foco da série deixou de ser o da Piper há muito tempo. Isso é positivo, mas não quer dizer que ela seja uma personagem desinteressante, muito pelo contrário, mas sua história com Alex Vause já não tinha mais rumo, além do mais, a série apresenta personagens – e subtramas – muito mais interessantes.

images

A Netflix sabe muito bem disso e já renovou Orange is the New Black até a 7ª temporada. Dá tempo de sobra para mostrar mais personagens e flashbacks ao longo de seus episódios e suas temporadas nada mais são do que grandes filmes de 13 horas.
Respeitando as proporções e diferenças, um episódio de Orange is the New Black é muito parecido com um episódio de Game of Thrones. Explicamos: em cada episódio são mostrados pequenos trechos de cada arco, personagem e vemos a dimensão de tudo. E um episódio de ambas as séries costuma terminar com algo bombástico. Mas a grande diferença entre Orange is the New Black e a série da HBO é que, sem envolvimento emocional com as personagens, a chance de alguém abandonar a série é grande.

orange_is_the_new_black
Os principais personagens de Orange is the New Black já tiveram episódios mais dedicados a eles, inclusive com flashbacks e quanto mais sabemos sobre eles, mas interessante ficam e a forma como o espectador se envolve e compra a história antes da vida no presídio determina se vai ou não acompanhar a série até o final.

680
Logo nos primeiros minutos deste 4º ano, a série deixa claro que é dramática e começa do mesmo ponto do final da temporada passada: a prisão de Litchfield recebe centenas de novas presas e culmina na superlotação do local, mas este não é o pior problema: a prisão agora é comandada por agentes do governo, muito diferentes dos guardas que, até então, eram amigos das prisioneiras de certa forma. O líder deles, Piscatella, um veterano de guerra, as trata com de forma quase desumanda em alguns momentos e o agora diretor, Joe Caputo, não tem pulso firme para lidar com eles, nem com as mulheres e nem com os poderosos do FBI e está muito mais preocupado com a sua Linda do que com o trabalho em si.
Quem está em uma prisão cometeu algum crime. Fato. Mas quem está lá merece um tratamento subumano? A polícia pode agir de forma autoritária? São algumas questões que a temporada levanta.

landscape-1458225609-oitnb-s4-litchfield-031716
Há uma personagem que sai de Litchfield. Ela cumpriu sua pena e agora está livre. Mas está livre mesmo? O mundo – sobretudo o mercado de trabalho – dá novas chances a ex-presidiários? “O lugar era uma prisão, fedia muito, mas lá eu tinha amigas” – é o que ela diz quando já está fora.
Mas o debate mais relevante desta temporada é a xenofobia e a questão racial: há um número alto de presas da cor negra e latinas e não demora muito para algumas mais radicais expressarem discursos de ódio entre “nós” e “elas”, ao ponto de uma personagem ser marcada com a suástica em seu braço e ocorrerem brigas (“brigas” no plural mesmo) quando alguma prisioneira ofende a outra por causa da raça ou etnia.

orange-new-black-s4_cinegrafando-2-1
Os flashbacks ainda são mostrados de forma elegante e eficiente. Na maioria dos casos, eles mostram como era a vida de alguma prisioneira antes de chegar à prisão. E algumas são muito parecidas com nós, “pessoas de bem”…
Essa 4ª temporada deixou muitos ganchos para o próximo ano, mais perguntas do que respostas e considerando que teremos mais 3 temporadas, a Netflix terá tempo de sobra para trabalhar no desenvolvimento de várias personagens e subtramas em seus grandes “filmes de 13 horas”.
Orange is beautiful!
Nota: 9,0

"Desistir não é uma opção"

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: